Videos Relacionados

Loading...

sábado, 24 de maio de 2014

Pequena História do Cinema

A primeira imagem em movimento foram feitas pelo francês Louis Aimé Augustin Le Prince (1841/1890), em 1888.


A imagem é conhecida como Roundhay Garden Scene e tem apenas 2,11 segundos:

video

Outro nome importante, neste processo, foi o de William Kennedy Laurie Dyckson (1860/1935). Ele trabalhava para Thomas Edison (1847/1931) quando patenteou sua câmera, chamada Kinetograph e, com ela, apresentou o primeiro filme para um público: a Saudação Dyckson, em 1891:

video

Em 1893 Thomas Edison apresentou a Black Maria, que era uma caixa escura onde as pessoas inseriam uma moeda, para ver um pequeno filme. Mas ainda era uma experiência individual. A primeira experiência coletiva seria na França:



No dia 28 de dezembro de 1895, os irmãos Auguste Marie Louis Nicolas Lumière (1862/1954) e Louis Jean Lumière (1864/1948) realizaram a primeira sessão de cinema da História, no Salon Indien du Grand Café, em Paris, para um pequeno público pagante, que teve o prazer de assistir dez pequenos filmes, entre eles: La Sortie de l'Usine Lumière à Lyon (Saída da Fábrica Lumière, em Lyon), Le Jardinier (O Regador Regado) e L'Arrivée d'un Train en Gare de la Ciotat (Chegada do Trem em La Ciotat). Para muitos, essa é considerada a data inicial do cinema mundial.




Curiosamente, os irmãos Lumière não acreditaram que o cinema pudesse gerar lucro, e quem investiu mais nessa novidade foram os estadunidenses. Além deles, podemos citar alguns pioneiros da "sétima arte": James Stuart Blackton (1875/1941) e Albert Edward Smith (1875/1958) que fundaram, em 1897, a American Vitagraph, um dos primeiros estúdios cinematográficos do mundo; Georges Méliès (1861/1938), ilusionista francês que realizou os primeiros filmes com efeitos especiais, como O Castelo Assombrado (1896, primeiro filme de terror) e Uma Viagem À Lua (1902, imagem abaixo); e Charles Pathé (1863/1957), que criou a maior empresa cinematográfica do período anterior à Primeira Guerra Mundial, entre outros.



Duração dos Filmes: o desenvolvimento de filmes fez crescer os nickelodeons, pequenos lugares de exibição de filmes onde se pagava o ingresso de 1 níquel, no qual se juntavam uma grande quantidade de pessoas, chamando a atenção da elite para o poder de influencia daquelas exibições. Os filmes também começaram a crescer em duração. Antes um filme durava de 10 a 15 minutos. Em 1906, o filme australiano "The Story of the Kelly Gang" tinha 70 minutos sendo lembrado até hoje como o primeiro longa metragem da história do cinema. Depois do filme australiano, a Europa começou a produzir filmes até mais longos: "Queen Elizabeth" (filme francês de 1912, foto abaixo), "Quo Vadis?" (filme italiano de 1913) e "Cabiria" (filme italiano de 1914), este último com 123 minutos de duração.




Anos 10: em 1910, Hollywood (uma vila fundada em 1870, que virou município em 1903) fundiu-se a Los Angeles, e logo virou o destino de diretores de cinema e empresários cinematográficos, que acabariam criando os primeiros estúdios na região: Universal - 1912, Paramount - 1912, Fox - 1915) controlados por judeus (Daryl Zanuck - 1902/1979, Samuel Bronston - 1908/1994, Samuel Goldwyn - 1879/1974, etc. Alguns desses estúdios se fundiriam, criando outros ainda maiores, nos anos 20 e 30: Metro-Goldwyn-Mayer (1924, união dos estúdios de Samuel Goldwyn com Louis Burt Mayer - 1884/1957) e 20th Century Fox (1935, da antiga Fox), entre outros.


O letreiro de Hollywood, criado em 1921, ainda como Hollywoodland

Nessa época, fizeram sucesso os slapsticks (comédias "pastelão"), as "vamps" (mulheres sedutoras e cruéis) e as "gamines" (mulheres de aparência frágil). Os filmes ainda eram mudos e surgiram os primeiros astros e diretores que, em alguns casos, tiveram fama internacional: Mack Sennet (1880/1960), Charles Chaplin (1889/1977), Harold Lloyd (1893/1971), Buster Keaton (1895/1966), Theda Bara (1885/1955), Pola Negri (1896/1987), as irmãs Lilian Gish (1893/1993) e Dorothy Gish (1898/1968), Mary Pickford (1892/1979), Douglas Faibranks (1883/1939) e D. W. Griffith (1875/1948). Esse último se notabilizou pelo filme "The Birth of a Nation" (ou "O Nascimento de uma nação") de 1915,  que foi considerado um dos filmes mais polêmicos da época do cinema mudo, onde um retrato da sociedade americana foi considerado uma glorificação da escravatura, segregação racial e promoção do aparecimento da Ku Klux Klan.



Anos 20: nesse período, merecem destaque diretores como o estadunidense Cecil B. Demille, o russo Sergei Eisenstein, os alemães F. W. Murnau e Fritz Lang e o espanhol Luis Buñuel. Entre os astros e estrelas, Rodolfo Valentino, Clara Bow, Gloria Swanson, Paulette Goddard,  Louise Brooks, Gary Cooper e Al Jolson.

Anos 30:

Anos 40:

Anos 50:

Anos 60:

Anos 70:

Anos 80:

Anos 90:

Século XXI: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário